OBESIDADE EM FOCO E O COMPROMETIMENTO VASCULAR SISTÊMICO, OPINIÃO DE ESPECIALISTAS SP; HOJE, A MAIORIA DA POPULAÇÃO MUNDIAL VIVE EM UM PAÍS ONDE O EXCESSO DE PESO OU OBESIDADE CAUSA MAIS MORTES DO QUE ESTAR ABAIXO DO PESO E OS VASOS EM GERAL ESTÃO ENTRE AS VANGUARDAS DESSES PROBLEMAS.

AINDA ASSIM, UMA PEQUENA PERDA DE PESO DE 5-10% PARECE SER SUFICIENTE PARA FORNECER UM BENEFÍCIO DE SAÚDE CLINICAMENTE SIGNIFICATIVO EM TERMOS DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES, TROMBOSES, HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES TIPO 2, ENTRE OUTROS PROBLEMAS GRAVES.
DIETA, EXERCÍCIO, MODIFICAÇÕES COMPORTAMENTAIS E EVENTUALMENTE MEDICAMENTOSO, CONTINUAM SENDO OS PILARES ATUAIS DO TRATAMENTO DA OBESIDADE, MAS COM CORREÇÃO DOS DEMAIS FATORES. FISIOLOGIA–ENDOCRINOLOGIA–NEUROCIÊNCIA-ENDÓCRINA (NEUROENDOCRINOLOGIA) – GENÉTICA–ENDÓCRINO-PEDIATRIA (SUBDIVISÃO DA ENDOCRINOLOGIA): DR. CAIO JR., JOÃO SANTOS. ET DRA. CAIO, HENRIQUETA VERLANGIERI.

A

Quase um terço da população mundial é obesa ou está acima do peso, mostram novos dados atuais hoje, 2,1 bilhões de pessoas – quase 30% da população mundial – são obesas ou acima do peso, de acordo com uma nova análise, em primeiro lugar do tipo, de dados de tendências de 188 países.

B

O aumento das taxas globais de obesidade nas últimas três décadas tem sido substancial e disseminado, apresentando uma importante epidemia de saúde pública tanto no mundo desenvolvido quanto no mundo em desenvolvimento.

C

O excesso de peso é definido como tendo um Índice de Massa Corporal (IMC) ou relação peso / altura maior ou igual a 25 e menor que 30, enquanto a obesidade é definida como tendo IMC igual ou maior que 30, o sobrepeso encontra-se entre 25 e 30.

D

“A obesidade é uma questão que afeta pessoas de todas as idades e rendimentos, em todos os lugares”, disse o Dr. Christopher Murray, diretor do IHME e co-fundador do estudo da Carga Global de Doenças (GBD).

E

“Nas últimas três décadas, nenhum país alcançou sucesso na redução das taxas de obesidade, e é esperado que a obesidade aumente de forma constante à medida que as rendas aumentam em países de renda baixa e média em particular, a menos que medidas urgentes sejam tomadas para enfrentar essa crise de saúde pública”.

F

Embora a porcentagem de pessoas com excesso de peso ou obesas tenha aumentado substancialmente nos últimos 30 anos, houve variações acentuadas entre regiões e países.

G

Nos países desenvolvidos, os aumentos na obesidade que começaram na década de 1980 e aceleraram de 1992 a 2002 diminuíram desde 2006. Por outro lado, nos países em desenvolvimento, onde quase dois terços das pessoas obesas no mundo vivem atualmente, é provável que os aumentos continuem.

H

Mais de 50% dos 671 milhões de obesos do mundo vivem em 10 países (classificados desde os países com as pessoas mais obesas): EUA, China, Índia, Rússia, Brasil, México, Egito, Alemanha, Paquistão e Indonésia.

I

Os riscos de saúde, como doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, osteoartrite e doença renal crônica aumentam quando o IMC de uma pessoa excede 23 ou seja, acima do valor mediano.

J

Em 2010, estimou-se que a obesidade e o excesso de peso causaram 3,4 milhões de mortes, a maioria de causas cardiovasculares o que de fato era esperado que ocorreria. Entretanto, esse percentual aumentou significativamente em todo o mundo em 2018.

L

Pesquisas indicam que, se não for controlado, o aumento da obesidade pode levar a futuros declínios na expectativa de vida. Estão morrendo apesar de não serem tecnicamente considerados obesos, descobriram os pesquisadores, portanto o sobrepeso deve ser considerado um risco relevante.

M

Dos 4,0 milhões de mortes atribuídas ao excesso de peso corporal em 2015, quase 40% ocorreram entre pessoas cujo índice de massa corporal (IMC) caiu abaixo do limiar considerado “obeso”.

N

As descobertas representam “uma crescente e preocupante crise global de saúde pública”, de acordo com os autores do artigo de publicação atual no New England Journal of Medicine.

O

O Instituto de Medições e Avaliação da Saúde (IHME) é uma organização global independente de pesquisa em saúde da Universidade de Washington que fornece medidas rigorosas e comparáveis dos problemas de saúde mais importantes do mundo e avalia as estratégias utilizadas para abordá-los.

P

“As pessoas que se livram do ganho de peso o fazem por sua conta e risco – risco de doença cardiovascular, diabetes, câncer e outras condições de risco de vida”, disse o Dr. Christopher Murray, autor do estudo e diretor do Instituto de Saúde. Métricas e Avaliação (IHME) na Universidade de Washington.

R

Em outras palavras, com o conhecimento cientifico acumulado e descobertas a respeito dos mecanismos que comprometem o organismo de pessoas com esses riscos, não existem sentido correrem o risco de alto medicação ou então efetuarem uma correção, sem orientação adequada, orientada por especialistas experientes da área, como endocrinologistas e nutrólogos.

S

“Essas resoluções de ano novo sem importância para perder peso devem se tornar compromissos anuais responsáveis e sequentes para perder peso e evitar ganho de peso futuro”.

T

Em assim sendo ao ser incluído análises de outros estudos sobre os efeitos , devemos ser relevantemente responsáveis e evitarmos o excesso de peso e ligações potenciais entre IMC elevado e câncer de esôfago, cólon e reto, fígado, vesícula biliar e vias biliares, pâncreas, mama, útero, ovário, rim e tireóide, também por presença de leucemia.

U

Ao somarmos as outras doenças muito conhecidas de obesos descontrolados e mesmo dentro do padrão considerado como normal relacionados com IMC, conforme descrito, está caracterizado um desastre anunciado que é devastador para uma quantidade imensa de seres humanos.

V

Os desejos compulsivos são resquícios de nossas fases evolutivas de caçadores coletores, onde os alimentos eram escassos, e tínhamos que lutar para conseguirmos o minimo de alimentos para sobrevivência de nossa espécie, o que pode ter levado a respaldo genético nesse sentido, que ainda carregamos.

X

MUITO PROVAVELMENTE O EXCESSO DE PESO SÓ OCORREU COM A REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.
Aumento do IMC é um importante fator de risco para doenças não transmissíveis, tais como: doenças cardiovasculares (principalmente doença cardíaca e acidente vascular cerebral), que foram a principal causa de morte em 2012;

Z

Diabetes; Síndrome metabólica, conjunto de diabetes Mellitus tipo 2, Dislipidemias, ou seja alterações do colesterol total, HDL – bom colesterol, LDL mal colesterol, VLDL – colesterol, Triglicérides, Hipertensão arterial sistêmica e claro a obesidade, principalmente abdominal (intra-abdominal, central ou visceral, incluída no mesmo grupo.

Y

A CLUSTER OF BIOCHEMICAL AND PHYSIOLOGICAL ABNORMALITIES ASSOCIATED WITH THE DEVELOPMENT OF CARDIOVASCULAR DISEASE AND TYPE 2 DIABETES. THE NEW RESEARCH MAY SUGGEST TREATMENTS TO COMBAT METABOLIC SYNDROME, SUCH AS ANTI-INFLAMMATORY DRUGS.
Distúrbios músculo-esqueléticos (especialmente osteoartrite – uma doença degenerativa altamente incapacitante das articulações); alguns tipos de câncer (incluindo endometrial, mama, ovário, próstata, fígado, vesícula biliar, rim e cólon).

W

Não é incomum encontrar desnutrição e obesidade coexistindo no mesmo país, na mesma comunidade e no mesmo domicílio.

W1

O sobrepeso e a obesidade, assim como as doenças não transmissíveis relacionadas, são amplamente evitáveis. Ambientes e comunidades de apoio são fundamentais para moldar as escolhas das pessoas, tornando a escolha de alimentos mais saudáveis e atividade física regular a escolha mais fácil (a escolha mais acessível, disponível e acessível) e, portanto, evitando o sobrepeso e a obesidade.

W2

Entretanto sabemos que em determinadas fases além desses fatores importante na diminuição, existe a necessidade de intervenção mais efetiva de um especialista mais qualificado, como nutrologistas, endocrinologistas e em outros casos inclusive do neuroendocrinologista.

W4.png

FOTO APENAS ILUSTRATIVA INTERNACIONAL
Portanto, em não conseguindo uma correção adequada, procurar um Endocrinologista experiente no sentido de orienta-los, abrangendo outros fatores patológicos que ocorrem concomitantemente ou por causa dessas disfunções e aplicando todo o arsenal terapêutico atual e responsável.

W5.png

Entretanto não se esqueça que a possibilidade de o grupo mais preocupante que são os infanto – juvenis e adolescentes obesos, provavelmente serão adultos obesos também, e não muito difícil com baixa estatura.

W6

Todas essas patologias são evitáveis, não transmissível, a menos que seja um hábito familiar desastroso, sedentários e descontrolados.
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.
⇒Esta matéria tem por objetivo ético, orientar pacientes a procurar seus médicos para ação preventiva. Figuras meramente ilustrativa sem significado cientifico.
Referências bibliográficas
Caio Junior, João Santos, Henriqueta Verlangieri, Van Der Häägen Brazil, Obesidade uma pandemia mundial avassadora e de doenças cardiovasculares. SET 2018. Academy.edu.com.
Caio Junior, João Santos, Henriqueta Verlangieri, Van Der Häägen Brazil, Porque a obesidade intra abdominal ou visceral é mais grave do que a obesidade periférica, embora ambas são absolutamente inconveniente. SET 2018. Academy.edu.com.
Adams T., Gress R., Smith S., Halverson R., Simper S., Rosamond W., et al. (2007) Mortalidade a longo prazo após cirurgia de bypass gástrico. N Engl J Med 357 : 753-761 [ PubMed ]
Adams T., Stroup A., Gress R., Adams K., Calle E., Smith S., et al. (2009) Incidência e mortalidade por câncer após cirurgia de bypass gástrico. Obesidade (Silver Spring) 17 : 796–802 [ artigo livre de PMC ] [ PubMed ]
Baturka N., Hornsby P., Schorling J. (2000) Implicações clínicas da imagem corporal entre mulheres afro-americanas rurais . J Gen Intern Med 15 : 235–241 [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Bennett G., Glasgow R. (2009) A entrega de intervenções de saúde pública através da internet: atualizando seu potencial . Annu Rev Public Health 30 : 273–292 [ PubMed ]
Blixen C., Singh A., Thacker H. (2006) Valores e crenças sobre obesidade e redução de peso entre mulheres afro-americanas e caucasianas . J Transcult Nurs 17 : 290–297 [ PubMed ]
Borgmeier I., Westenhoefer J. (2009) Impacto de diferentes formatos de rótulo de alimentos na avaliação da saúde e escolha alimentar de consumidores: um estudo controlado randomizado . BMC Public Health 9 : 184. [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Bray G. (2007) A Batalha do Bulge. Uma história da pesquisa da obesidade . Pittsburgh, PA: Dorrance Publishing Co
Centros de Controle e Prevenção de Doenças (2005) Percepções das características do bairro e inatividade física no lazer – Austin / Travis County, Texas, 2004 . MMWR Morb Mortal Wkly Rep 54: 926-928 [ PubMed ]
Colquitt J., Clegg A., Loveman E., Royle P., Sidhu M (2005). Cirurgia para obesidade mórbida . Base de dados Cochrane Syst Rev : CD003641 [ PubMed ]
Dan D., Harnanan D., S. Seetahal, Naraynsingh V., Teelucksingh S. (2010) A cirurgia bariátrica na gestão da obesidade infantil: deve haver um limite de idade? Obes Surg 20 : 114–117 [ PubMed ]
Deitel M. (2007) A Carta Europeia sobre como combater a obesidade . Obes Surg 17 : 143–144 [ PubMed ]
Diaz V., Mainous A., III, Papa C. (2007) Conflitos culturais na experiência de perda de peso de latinos acima do peso . Int J Obes (Lond) 31 : 328–333 [ PubMed ]
Peixes J., Ettner S., Ang A., Marrom A. (2010) Associação de segurança de vizinhança percebida com índice de massa corporal [corrigido] . Am J Public Health 100 : 2296–2303 [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Flegal K., Carroll M., Ogden C., Curtin L. (2010) Prevalência e tendências na obesidade entre adultos dos EUA, 1999-2008 . JAMA 303 : 235–241 [ PubMed ]
Foster G., W. Wadden, Vogt R., Brewer G. (1997) O que é uma perda de peso razoável? Expectativas dos pacientes e avaliações dos resultados do tratamento da obesidade . J Consult Clin Psychol 65 : 79–85 [ PubMed ]
Franz M., Vanwormer J., Crain A., Boucher J., Histon T., Caplan W., et al. (2007) Desfechos de perda de peso: uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos de perda de peso com um mínimo de 1 ano de acompanhamento. J Am Diet Assoc 107: 1755-1767 [ PubMed]
Gortmaker S., Swinburn B., Levy D., Carter R., Mabry P., Finegood D., et al. (2011) Mudando o futuro da obesidade: ciência, política e ação . Lancet 378 : 838–847 [ artigo livre de PMC ] [ PubMed ]
Haddock C., Poston W., Dill P., Foreyt J., Ericsson M. (2002) Farmacoterapia para obesidade: uma análise quantitativa de quatro décadas de ensaios clínicos randomizados publicados . Int J Obes Relat Metab Desordem 26 : 262–273 [ PubMed ]
Handsley E., Mehta K., Coveney J., Nehmy C. (2009) Eixos regulatórios sobre publicidade de alimentos para crianças na televisão . Aust NZ Health Policy 6 : 1 [ Artigo da PMC grátis ] [ PubMed ]
Hauptman J., Jeunet F., Hartmann D. (1992) Estudos iniciais em humanos com o novo inibidor de lipase gastrointestinal Ro 18-0647 (tetrahidrolipstatina) . Am J Clin Nutr 55 : 309S-313S [ PubMed ]
Hebden L., Rei L., Grunseit A., Kelly B., Chapman K. (2011) Publicidade de fast food para crianças na televisão australiana: o impacto da auto-regulação da indústria . Med J Aust 195 : 20–24 [ PubMed ]
Hoad V., Somerford P., J. Katzenellenbogen (2010) Índice de massa corporal elevado ultrapassa o tabaco como o principal fator de risco independente que contribui para a carga de doenças na Austrália Ocidental . Aust NZJ Saúde Pública 34 : 214–215 [ PubMed ]
Inagami S., Cohen D., Marrom A., Asch S. (2009) Índice de massa corporal, fast food de vizinhança e concentração de restaurante e propriedade de carro . J Urban Health 86 : 683–695 [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Internet World Stats (2012) http://internetworldstats.com/stats.htm (acessado em 25 de junho de 2012).
James W., Caterson I., Coutinho W., Finer N., Van Gaal L., Maggioni A., et al. (2010) Efeito da sibutramina sobre os desfechos cardiovasculares em indivíduos com sobrepeso e obesidade. N Engl J Med 363 : 905–917 [ PubMed ]
Jones-Smith J., Gordon-Larsen P., Siddiqi A., Popkin B. (2011) O peso do excesso de peso está mudando para os pobres em todo o mundo? Tendências temporais entre mulheres em 39 países de baixa e média renda (1991-2008) . Int J Obes (Lond) , na imprensa [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Kelly B., Halford J., Boyland E., Chapman K., Bautista-Castano I., Berg C., et al. (2010) Publicidade de comida de televisão a crianças: uma perspectiva global. Am J Public Health 100 : 1730–1736 [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Kelly T., Yang W., C. Chen, Reynolds K., Ele J. (2008) O fardo global da obesidade em 2005 e projeções para 2030 . Int J Obes (Lond) 32 : 1431–1437 [ PubMed ]
Knowler W., Barrett-Connor E., Fowler S., Hamman R., Lachin J., Walker E., et ai. (2002) Redução na incidência de diabetes tipo 2 com intervenção no estilo de vida ou metformina . N Engl J Med 346 : 393–403 [ Artigo livre de PMC ] [ PubMed ]
Kozo J., Sallis J., Conway T., Kerr J., Cain K., Saelens B., et ai. (2012) Comportamentos sedentários de adultos em relação à acessibilidade e renda do bairro . Health Psychol , na imprensa [ PubMed ]
Leblanc E., O’Connor E., E. Whitlock, Patnode C., Kapka T. (2011) Eficácia dos tratamentos relevantes para a obesidade em adultos: uma revisão sistemática de evidências para a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA . Ann Intern Med 155 : 434–447 [ PubMed ]
Leth T., J. Jensen, Mikkelsen A., Bysted A. (2006) O efeito da regulação sobre o teor de ácidos graxos trans em alimentos dinamarquês . Atherosclerosis Suppl 7: 53-56 [ PubMed]
Lindstrom J., Louheranta A., Mannelin M., Rastas M., Salminen V., Eriksson J., et al. (2003) O estudo finlandês da prevenção do diabetes (DPS): intervenção do estilo de vida e resultados de 3 anos na dieta e na atividade física. Diabetes Care 26 : 3230–3236 [ PubMed ]
Linné Y., Hemmingsson E., B. Adolfsson, Ramsten J., Rossner S. (2002) As expectativas do paciente de tratamento da obesidade, a experiência de uma unidade de creche . Int J Obes Relat Metab Desordem 26 : 739–741 [ PubMed ]
Lumeng J., Appugliese D., Cabral H., Bradley R., Zuckerman B. (2006) Segurança de vizinhança e status de excesso de peso em crianças . Arch Pediatr Adolesc Med 160 : 25–31 [ PubMed ]
Manzoni G., Pagnini F., Corti S., E. Molinari, Castelnuovo G. (2011) Intervenções comportamentais baseadas na Internet para a obesidade: uma revisão sistemática atualizada . Clin Pract Epidemiol Ment Health 7: 19–28 [ Artigo gratuito do PMC] [ PubMed ]
Morland K., Diez Roux A., Wing S. (2006) Supermercados, outras lojas de alimentos e obesidade: o risco de aterosclerose no estudo das comunidades . Am J Prev Med 30 : 333–339 [ PubMed ]
Neve M., Collins C., Morgan P. (2010) Abandono, atrito de não-uso e preditores de pré-tratamento de atrito não mental em um programa de perda de peso baseado na web . J Med Internet Res 12 : e69. [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Olds T., Maher C., Zumin S., Peneau S., Lioret S., Castetbon K., et al. (2011) Evidências de que a prevalência de sobrepeso na infância está se estabilizando: dados de nove países. Int J Pediatr Obes 6 : 342–360 [ PubMed ]
Padwal R., Majumdar S. (2007) Os tratamentos medicamentosos para a obesidade: orlistat, sibutramina e rimonabant . Lancet 369 : 71-77 [ PubMed ]
Padwal R., N. Pajewski, Allison D., Sharma A. (2011) Usando o sistema de estadiamento da obesidade Edmonton para prever a mortalidade em uma coorte representativa da população de pessoas com sobrepeso e obesidade . CMAJ 183: E1059-1066 [ Artigo livre de PMC] [ PubMed]
Pi-Sunyer X., Blackburn G., Brancati F., Bray G., Bright R., Clark J., et ai. (2007) Redução de peso e fatores de risco de doença cardiovascular em indivíduos com diabetes tipo 2: resultados de um ano do estudo Look AHEAD . Diabetes Care 30 : 1374–1383 [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Pipe A. (2002) Seja ativo sobre a atividade física. Peça, aconselhe, ajude: faça seus pacientes se mexerem . Can Fam Physician 48 : 13–14, 21–23 [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
Popkin B., Adair L., Ng S. (2012) Transição nutricional global e a pandemia da obesidade nos países em desenvolvimento . Nutr Rev 70 : 3–21 [ artigo livre de PMC ] [ PubMed ]
Porter J., Bean M., Gerke C., Stern M. (2010) Fatores psicossociais e perspectivas sobre ganho de peso e barreiras à perda de peso entre adolescentes inscritos no tratamento da obesidade . J Clin Psychol Med Configurações 17 : 98–102 [ PubMed ]
Ferroviário G., Holmes D., Murray S. (2010) A política da evidência sobre ‘terroristas domésticos’: discursos sobre obesidade e seus efeitos . Teoria Social Saúde 8 : 259–279
Rokholm B., Baker J., Sorensen T. (2010) O nivelamento da epidemia de obesidade desde o ano de 1999 – uma revisão de evidências e perspectivas . Obes Rev 11 : 835-846 [ PubMed ]
Shukla A., Rubino F. (2011) Secreção e função dos hormônios gastrintestinais após cirurgia bariátrica: seu papel no diabetes tipo 2 . Pode J Diabetes 35: 115–122
Sjöstr� L., Lindroos A., Peltonen M., Torgerson J., Bouchard C., Carlsson B., et al. (2004) Estilo de vida, diabetes e fatores de risco cardiovascular 10 anos após a cirurgia bariátrica. N Engl J Med 351: 2683–2693 [ PubMed]
Sjostrom L., Narbro K., Sjöstrom C., Karason K., Larsson B., Wedel H., et ai. (2007) Efeitos da cirurgia bariátrica na mortalidade em suecos obesos . N Engl J Med 357 : 741-752 [ PubMed ]
Sjöström L., M. Peltonen, Jacobson P., C. Sjöström, Karason K., Wedel H., et ai. (2012) Cirurgia bariátrica e eventos cardiovasculares a longo prazo . JAMA 307 : 56-65 [ PubMed ]
Sugiyama T., Salmon J., D. Dunstan, Bauman A., Owen N. (2007) Walkability de vizinhança e tempo de visualização de TV entre adultos australianos . Am J Prev Med 33: 444–449 [ PubMed]
Swinburn B., Sacks G., Hall K., McPherson K., Finegood D., Moodie M., et al. (2011) A pandemia global da obesidade: moldada por impulsionadores globais e ambientes locais. Lancet 378 : 804–814 [ PubMed ]
Agência Europeia de Medicamentos (2008) A Agência Europeia de Medicamentos recomenda a suspensão da Autorização de Introdução no Mercado do Acomplia , http://www.ema.europa.eu/ema/index.jsp?curl=pages/news_and_events/news/2009/11/ news_detail_000244.jsp & mid = WC0b01ac058004d5c1 & jsenabled = true (acessado em 15 de fevereiro de 2012).
Thomas A., Moseley G., Stallings R., Nichols-Inglês G., Wagner P. (2008) Percepções da obesidade: diferenças em preto e branco . J Cult Divers 15 : 174–180 [ PubMed ]
Tsai A., Wadden T. (2005) Revisão sistemática: uma avaliação dos principais programas comerciais de perda de peso nos Estados Unidos . Ann Intern Med 142: 56-66 [ PubMed ]
Tuomilehto J., Lindstrom J., Eriksson J., Valle T., H. Hamalainen, Ilanne-Parikka P., et al. (2001) Prevenção do diabetes mellitus tipo 2 por mudanças no estilo de vida entre indivíduos com tolerância à glicose diminuída. N Engl J Med 344 : 1343–1350 [ PubMed ]
Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (2010) A Visão do Surgeon General para uma Nação Saudável e Adequada . Rockville, MD: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Escritório do Surgeon General
Van Der Mark M., Jonasson J., Svensson M., Linneb Y., Rossner S., Lagerros Y. (2009) Os membros mais velhos apresentam um desempenho melhor em um programa de perda de peso comportamental baseado na Internet em comparação com os membros mais jovens . Obes Fatos 2 : 74–79 [ PubMed ]
Van Gaal L., M. Mertens, Ballaux D. (2005) Qual é a relação entre a redução do fator de risco e o grau de perda de peso? Eur Heart J 7 : L21 – L26
Vos T., Carter R., Barendregt J., Mihalopoulos C., Veerman J., Magnus A., et ai. (2010) Avaliando Custo-Eficácia na Prevenção (Ace-Prevention): Relatório Final . Brisbane: Universidade de Queensland / Melbourne: Universidade Deakin
Wadden T., Crerand C., Brock J. (2005) Tratamento comportamental da obesidade . Psychiatr Clin North Am 28 : 151-170, ix [ PubMed ]
Weight Watchers (2012) http://www.weightwatchers.com/index.aspx (acessado em 15 de fevereiro de 2012).
Westerterp K., Speakman J. (2008) O gasto de energia em atividades físicas não diminuiu desde a década de 1980 e coincide com os gastos de energia de mamíferos silvestres . Int J Obes (Lond) 32 : 1256–1263 [ PubMed ]
Wilkins R. (2010) Os dinamarqueses impõem aumentos de 25% nos impostos sobre sorvetes, chocolate e doces para reduzir a doença . BMJ 341: c3592. [ PubMed]
Willett W., Stampfer M., J. Manson, Colditz G., Speizer F., Rosner B., et al. (1993) Ingestão de ácidos graxos trans e risco de doença coronariana entre mulheres. Lancet 341 : 581–585 [ PubMed ]
Wills J., Schmidt D., C Pillo-Blocka F., Cairns G. (2009) Explorando as atitudes dos consumidores globais em relação à informação nutricional em rótulos de alimentos . Nutr Rev 67 ( Suppl. 1 ): S102 – S106 [ PubMed ]
Organização Mundial da Saúde (2009) Riscos Globais à Saúde: Mortalidade e Ónus da Doença Atribuíveis aos Principais Riscos Selecionados . Genebra: Organização Mundial da Saúde
Young L., Swinburn B. (2002) Impacto do programa de informações sobre o Pick the Tick sobre o teor de sal dos alimentos na Nova Zelândia . Promotional de Saúde Int 17 : 13-19 [ PubMed ]
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3539294/
Contato
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11) 5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj. 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr

https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Anúncios
Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

OBESIDADE, DE REVESTIMENTO, INTRA-ABDOMINAL, CENTRAL, VISCERAL IN FOCO POR ESPECIALISTAS; PORQUE COM AUMENTO DA IDADE É MAIS DIFÍCIL PERDER GORDURA?

É UM FATO DA VIDA INDEPENDENTE DO SEXO: COM O PASSAR DOS ANOS, PERDER PESO TORNA-SE MAIS DIFÍCIL. ISSO PODE ACONTECER POR VÁRIOS MOTIVOS. DOS NÍVEIS CRESCENTES DE ESTRESSE A UM METABOLISMO MAIS LENTO À INEVITÁVEL PERDA DE MASSA MUSCULAR, SEDENTARISMO, O EXCESSO DE PESO EXIGE MAIS ESFORÇO E INTENÇÃO.
AQUI ESTÁ UM OLHAR MAIS ATENTO POR QUE PERDER PESO É TÃO DESAFIADOR E COMO VOCÊ PODE TER SUCESSO EM SEUS OBJETIVOS DE ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL, COM REORGANIZAÇÃO DA SUA FISIOLOGIA, METABOLISMO, CORREÇÃO HORMONAL E SE CUIDAR COM CARINHO GOSTANDO DE VOCÊ SEM HÁBITOS NOCIVOS. FISIOLOGIA–ENDOCRINOLOGIA–NEUROCIÊNCIA-ENDÓCRINA (NEUROENDOCRINOLOGIA) – GENÉTICA–ENDÓCRINO-PEDIATRIA (SUBDIVISÃO DA ENDOCRINOLOGIA): DR. JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA. HENRIQUETA VERLANGIERI CAIO.

1

Uma das principais razões para que ocorra uma perda de peso mais eficiente à medida que você avança na idade é devido a um metabolismo com menos agilidade e eficiência, É um fato da vida: à medida que você envelhece, e isso pode começar precocemente através dos problemas individuais das características de cada fase no desenvolvimento e acúmulo de responsabilidades individuais e característica de cada ser humano, perder peso torna-se mais difícil.

2

Isso pode acontecer por vários motivos. Dos níveis crescentes de estresse a um metabolismo lento à inevitável perda de massa muscular, colágeno, o excesso de peso exige mais esforço e intenção. Aqui está um olhar mais atento por que perder peso é tão desafiador e como você pode ter sucesso em seus objetivos de estilo de vida saudável. Desde trabalhos exigentes até a criação de filhos até o planejamento da aposentadoria já mais para a frente, nossas responsabilidades aumentam à medida que os anos passam.

3

Como resultado, experimentamos mais estresse, levando a uma liberação aumentada de cortisol, o hormônio de resposta ao estresse do corpo. O cortisol pode desencadear a resposta de “fuga ou luta”, o que torna mais eficaz em situações de risco de vida mas a sensibilidade é individual. No entanto, encontramos muitos momentos não ameaçadores durante a vida que ainda induzem ao estresse.

4

Isso pode levar a que o cortisol desnecessário seja armazenado como depósitos de gordura no corpo embora sempre os fatores ambientais podem interferir diretamente no equilíbrio saudável dessas intercorrências, como a dieta, exercícios físicos, o sono, etc. Além da obesidade nas diversas localizações, que pelos fatores enumerados já compromete nosso organismo pois também provocam fatores inflamatórios de grande repercussão, vários estudos demonstraram uma ampla variabilidade cognitiva entre os indivíduos com o passar dos anos.

5

Um fator que se acredita estar associado a essa heterogeneidade é a exposição ao estresse crônico ao longo da vida. Evidências animais e humanas demonstram que os glicocorticoides (GCs), a principal classe de hormônios do estresse, estão fortemente ligados ao desempenho da memória, pelo qual níveis elevados de glicocorticoides (GCs), estão associados ao declínio do desempenho da memória no envelhecimento cognitivo normal e patológico.

6

Assim, acredita-se que os glicocorticoides (GCs), podem aumentar a vulnerabilidade do cérebro aos efeitos de agressões internas e externas e, portanto, podem desempenhar um papel no desenvolvimento de distúrbios cognitivos relacionados à idade, como a doença de Alzheimer (DA). Goddard diz que os níveis de estrogênio começam a declinar quando uma mulher começa a perimenopausa. “Como resultado, perdemos massa muscular, e essa perda resulta em uma diminuição no metabolismo – nós literalmente temos que consumir menos calorias para manter ou perder peso”, diz ela.

7

“A perda de estrogênio também leva a uma propensão a depositar gordura na seção intermediária, o que leva a um desarranjo metabólico adicional (ou a um metabolismo ineficiente). Aumenta a resistência à insulina, pode levar a pré-diabetes e diabetes, e aumenta o risco de doença cardíaca. ”Nessas condições é muito importante a terapia de reposição hormonal, (TRH), pois todos os hormônios esteroides como o estrógeno que é produzido por mulheres estão em queda livre, e nos homens também com a andropausa, assim como na mulher a menopausa e não interessa se existe sintomas ou não, as consequências são as mesmas, no caso da mulher 25% pode ter a sorte de não apresentar tais sintomas, mas as consequências são inexoráveis em 100% do gênero humano.

8

A perda de massa muscular mencionada acima também diminui o número de calorias que precisamos para manter ou perder peso, diz Goddard. “Além disso, a resistência à insulina que resulta da deposição de gordura na seção intermediária também pode dificultar a perda de peso. A insulina é um hormônio, entretanto, você diminuirá outros hormônios vitais, com somatopausa, pausa na fabricação do GH – hormônio de crescimento ou somatotrofina pelo hipotálamo, glândula mestra, tireopausa, além da pausa da maioria dos hormônios, e não tenha dúvida que seu organismo irá se defender com a presença de outros sintomas que normalmente não dão sintomas muito claros como pode acontecer na doença de de alguns tipos de comprometimento ósseo, exemplo na osteoporose esporadicamente.

9

Isso nos faz sentir fome e nos leva a armazenar o carboidrato que comemos como gordura ao invés de usá-lo para energia rápida ”. O exercício é fundamental , diz Goddard. ” O exercício aeróbico aumenta a taxa metabólica e o treinamento com pesos aumenta a massa muscular”, diz ela. Tente incorporar ambas as atividades em sua rotina de treino semanal.

10

Existem diversa opiniões questionáveis, além de mitos desastrosos, mas o correto é fazer a reposição de todos os hormônios quando indicado, e o profissional que é o mais ligado e experiente em substâncias hormonais fabricadas pelo próprio organismo, é o endocrinologista e neuroendocrinologista, devido a vastidão de substâncias que evoluirão para o colapso indubitavelmente. È importante a nutricionista ou o personal treining, mas jamais resolverão as causas e sim os efeitos de um desastre certeiro. O índice de massa muscular esquelética (SMI) mostrou uma diminuição dependente da idade em ambos os sexos. Entre 40 e 79 anos, o índice de massa muscular esquelética (SMI) total diminuiu 10,8% nos homens e 6,4% nas mulheres. O braço índice de massa muscular esquelética (SMI) SMI diminuiu 12,6% nos homens e 4,1% nas mulheres, e a perna índice de massa muscular esquelética (SMI), diminuiu 10,1% nos homens e 7,1% nas mulheres no mesmo período.

11

FIGURA APENAS ILUSTRATIVA
Em contraste, a área de gordura visceral mostrou um aumento dependente da idade em ambos os sexos. A área de gordura visceral aumentou em 42,9% nos homens e em 65,3% nas mulheres. A análise de regressão múltipla mostrou que o índice de massa muscular esquelética (SMI) foi negativamente associado à obesidade visceral em ambos os sexos.

12

Foram realizadas análises de correlação simples por idade e sexo entre as variáveis antropométricas – índice de massa corporal, circunferência da cintura (CC), circunferência do quadril (CC), razão cintura / quadril (RCQ) – e variáveis de risco para doença cardiovascular – sangue sistólico, pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD), níveis de colesterol total (CT), lipoproteína de baixa densidade (LDL), lipoproteína de alta densidade (HDL) e triglicerídeos (TRIG) e relação CT / HDL.

13

Análises de correlação canônica foram realizadas para determinar as associações multivariadas entre as variáveis antropométricas e de risco. O excesso de gordura corporal armazenada e a obesidade são, na verdade, mais do que apenas desagradáveis – também são extremamente perigosos. Embora seja difícil imaginar a obesidade e certos tipos de gordura corporal como doenças inflamatórias , é exatamente isso que eles são. A gordura visceral faz mais do que apenas levar à inflamação na estrada – ela se inflama produzindo algo conhecido como interleucina-6, um tipo de molécula inflamatória. Este tipo de gordura armazena os glóbulos brancos inflamatórios e dá início a uma série de reações auto-imunes.

14

A inflamação é a raiz da maioria das doenças , e é por isso que a gordura da barriga inflamatória está ligada ao declínio cognitivo, artrite, diabetes e assim por diante. Um crescente corpo de evidências aponta para o fato de que há uma forte ligação entre obesidade, doença vascular, inflamação e declínio cognitivo, incluindo demência. De fato, parece que o excesso de peso no corpo equivale a um menor volume cerebral e, portanto, a uma pior função na idade avançada.

15

Quanto maior a barriga (ou a relação cintura-quadril de uma pessoa), mais impacto negativo é sentido no centro de memória do cérebro, o hipocampo. De fato, muitos especialistas agora sentem que os níveis de tecido adiposo visceral (TAV), em vez do IMC, devem ser considerados como um importante fator de risco no desenvolvimento de demência. Um estudo de 2014 realizado pela Escola de Medicina da Universidade de Boston descobriu que os sintomas depressivos estão associados à adiposidade visceral em adultos de meia-idade.

16

Para examinar a relação entre as medidas de adiposidade (gordura) e depressão, os pesquisadores examinaram tecido adiposo visceral (VAT) e sintomas depressivos em 1.581 mulheres (idade média de 52,2 anos) e 1.718 homens (idade média de 49,8 anos). Várias das formas mais comuns de câncer estão ligadas aos hormônios sexuais. Isso vale para o câncer de mama, útero, ovário, próstata e talvez outros locais e por contiguidade a gordura de um modo geral, mas mais evidente a gordura abdominal, central ou visceral. A leptina é um tipo de hormônio chamado adipokine que é liberado exclusivamente a partir de células adiposas.

17

A leptina interage com o cérebro para que o seu corpo coma menos e queime mais calorias. Quanto mais gordura corporal você tiver, mais leptina suas células gordurosas irão liberar. No entanto, muita gordura corporal leva à liberação excessiva de leptina – uma condição chamada resistência à leptina. Quando isso ocorre, seu cérebro fica entorpecido ao sinal da leptina. Para maximizar a sensibilidade à leptina, obtenha um sono adequado e prepare sua dieta repleta de frutas ricas em antioxidantes e vegetais verdes e vermelhos.

18

Perder peso também aumenta a sensibilidade à leptina e dá a você algum impulso, pois quanto mais peso você perder, mais eficaz a leptina se tornará em seu corpo. Por outro lado, uma substância que funciona mais rápido do que seu antagonista que é a leptina, tentará compensar essa situação que dificulta a perda de peso; Grelina é o seu gremlin de fome .

19

Ele é produzido em seu estômago e, como muitos hormônios de perda de gordura, funciona com seu cérebro para sinalizar que você está com fome. Reduzir calorias, em um esforço para perder peso, causa um aumento na grelina. Mesmo após 12 meses de uma dieta hipocalórica, a pesquisa mostra que os níveis de grelina permanecem elevados. Em outras palavras, seu corpo nunca se adapta a comer menos e envia constantemente o sinal “Estou com fome”, e é por isso que manter a perda de peso geralmente é mais difícil do que perdê-lo em primeiro lugar.

20

A boa notícia: o exercício intenso diminui os níveis de grelina, tornando-o um componente-chave para a perda de gordura e a manutenção do peso.

21

Procure se antecipar a essas desorganização, procurando um endocrinologista ou neuroendocrinologista, pois todos os fatores acima além de complexos são trabalhosos de reverter.
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neurocientista-Endócrino
CRM 20611
Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.
Referências Bibliográficas
https://en.wikipedia.org/wiki/Abdominal_obesity
https://www.health.harvard.edu/…/abdominal-obesity-and-your-h
https://www.webmd.com › Diabetes › Type 2 Diabetes Guide
https://nuts.com/healthy-eating/weight-loss-aging
Contato
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11) 5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj. 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

ENDOCRINOLOGIA – OBESIDADE, INTRA ABDOMINAL, VISCERAL, CENTRAL.TANTO O ADULTO COMO O JOVEM TEM UMA MAIOR SOBRECARGA GASTRO-INTESTINAL, PARA PODEREM DIGERIR A CARNE VERMELHA, E DIVERSAS DOENÇAS DURANTE O DECORRER DE SUAS VIDAS PODERÃO TER SIDO INICIADAS COM O HÁBITO DE COMER A CARNE VERMELHA EM LUGAR DE OUTROS TIPOS DE CARNE MAIS SAUDÁVEIS.

agende-consulta-atualizada

As CARNES VERMELHAS devem ser consumidas com moderação porque independente da difícil digestão provocada por suas fibras, é um grande equivoco pensarmos que tirando a gordura que olhamos externamente, bem como nossa boa intenção de retirarmos com todo o cuidado, no sentido que nossa família não ingira tamanha quantidade de gordura, que obviamente não só levará ao aumento de peso com deposição em nosso organismo e provocará um grande estrago, mas nos esquecemos que a gordura contida na carne vermelha não vem só da parte visível, aproximadamente 30 % da gordura esta localizada entre fibras e a maioria das carne vermelhas não apresentam visualmente este 1/3 de gordura que não vemos ou até não temos conhecimento de sua existência. Portanto, não é somente o visual possivelmente agradável que temos que nos distanciar, mas a espada que é colocada em nossas cabeças dos efeitos colaterais tais como obesidade, obesidade intra abdominal, visceral, central, alem do aumento dos lípides (gorduras e seus companheiros de estragos), como o colesterol total, LDL colesterol, o desbalanceamento do bom colesterol HDL, quilomicrons (micro partículas de gorduras) que é o triglicérides. Não importa ter sabor agradável hoje, mas o estrago programado para o nosso corpo de forma evolutiva é inquestionável e desastroso, e só sentiremos isto quando nosso sistema cardiovascular e respiratório começar a dar seus primeiros sintomas. Entre as carnes mais desastrosas e gordas estão; Gordas: cupim, picanha, costela e bisteca bovina. Pseudo magras: coxão mole, fraldinha, alcatra, patinho, filé mignon, músculo. Portanto, não estamos questionando nenhum gourmet, nem um problema nutricional, mas o risco e a implicações médicas de curto, médio e longo prazo; também não estamos defendendo dogmas , opção de hábitos ou posições de crendices que pode levar ao estilo de vida vegetariano ou coisa parecida, apenas estamos dando uma informação que não é segredo para ninguém , além de possuir outras opções como peixes, aves, etc.
AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM: 20611
Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM:28930
Como Saber Mais:
1.Carne é proteína e assim mesmo engorda ?
http://gorduraabdominal.blogspot.com
2.Carne de frango tem gordura e pode ser saudável ?
http://esteatosehepatica.blogspot.com
3.Obesidade grau I faz mal ?
http://controladaobesidade.blogspot.com
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.
Referêrencia bibliográfica;
Huaidong Du, do Instituto Nacional de Saúde Pública e Meio Ambiente em Bilthoven, Holanda,Am J Clin Nutr. Publicado em 16 dezembro de 2009. Abstract.
CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11)9.8197-4706 – TIM
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=
UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17
Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , ,

NOSSO CORPO É PERFEITO E POSSUI UM PONTO DE ESTABILIDADE A NÍVEL DE PESO, CASO PASSEMOS DO PONTO, ELE SE REFORMULARÁ COMEÇANDO SUA ANGUSTIA, MUDANDO A PRINCIPIO SEU ESTILO DE VIDA, O BOM-COLESTEROL ( HDL ) E O TRIGLICÉRIDES.

agende-consulta-atualizadaEntre a classe médica, sabe-se que o excesso de gordura abdominal, obesidade central, em particular a gordura visceral abdominal,  ou central que está relacionada a risco ao aumentado  de complicações relacionadas à obesidade, cada vez mais as pesquisas  comprovam que não adiante efetuar somente a alimentação, ou associa-la a exercícios físicos, é de extrema importância mudarmos todos os nossos detalhes com relação ao ESTILO de vida, nunca se esqueça que o nosso organismo possuem uma química perfeita distribuída através do nosso metabolismo orgânico, seja ela de que nível for incluindo obesidade intra visceral, abdominal ou central. Os trabalhos científicos tem examinados a associação entre fatores de risco metabólicos e manutenção da gordura visceral abdominal, obesidade central, após atitudes tomadas para perda de peso. As  avaliação em mulheres obesas na pós-menopausa, que concordaram em se submeter a um acompanhamento para a perda de peso, e chegaram a perder pelo menos 10% do peso inicial, tiveram um resultado significativo. O peso corporal, a gordura visceral abdominal ou central , foi avaliada através da tomografia computadorizada e os fatores de risco metabólicos, tais como, a pressão arterial, dislipidemia-Colesterol total, LDL colesterol mal colesterol, HDL colesterol , bom colesterol, Triglicérides que são quilomicros e glicemia, foram medidos antes do início do acompanhamento, ou seja, na semana zero, na semana após terminar o acompanhamento, ou seja, no 3º mes e após 2 anos de acompanhamento. As mulheres foram divididas em 2 grupos, de acordo com as mudanças em sua gordura visceral abdominal durante este periodo  : um grupo aumentou a gordura visceral abdominal obesidade central e outro manteve a diminuição da gordura visceral abdominal ou obesidade central. A mudança média da gordura visceral abdominal ou obesidade central das mulheres durante o acompanhamento, juntamente com mudanças, foi observada melhora em todos os fatores de riscos metabólicos exceto para o HDL- colesterol (bom-colesterol). Durante o período de acompanhamento, houve interação entre os 2 grupos de gordura visceral abdominal ou obesidade central em relação ao HDL- colesterol (bom-colesterol), os triglicérides e o colesterol total/HDL- colesterol. Em particular, o HDL- colesterol das que mantiveram a diminuição da gordura visceral abdominal ou obesidade central, melhorou e o valor durante o período superou o nível basal, ou seja, medido antes do início do acompanhamento. No entanto, a pressão arterial sistólica e diastólica, a tomografia computadorizada e o LDL- colesterol nas que mantiveram a diminuição da gordura visceral abdominal ou obesidade central como era esperado e de acordo com dezenas de trabalhos de pesquisas não poderiam apresentar , a não ser uma queda nos valores de tais níveis ou seja uma diminuição de tais níveis, pois seria um estimulo a obesidade intra abdominal, visceral ou central se as observações fossem diferentes. Por isso temos que tomar muito cuidado com a interpretação de alguns trabalhos, que dependendo do protocolo utilizado, podem observar situações antagônicas , que não possuem lógica nenhuma. A obesidade em qualquer grau tem se firmado em saúde publica como a epidemia do século XXI, seja ela Obesidade visceral, intra abdominal, central, controlada ou descontrolada, temos que avaliar nossas posições, afinal independente da área genética em nosso relacionamente família sempre, levamos alquem ao mesmo desastre. Através destas avaliações, fica claro porque a manutenção da diminuição da gordura visceral abdominal ou obesidade central, por um longo tempo após a perda de peso está associada com a melhora do HDL- colesterol e triglicérides em relação às mulheres obesas na pós-menopausa.
AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM: 20611
Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM:28930
Como Saber Mais:
1. A obesidade visceral e esteatose (gordura no fígado), existem relações?
http://gorduraabdominal.blogspot.com

2. É importante a perda da gordura visceral abdominal para diminuir hipertensão?                 
http://gorduravisceral.blogspot.com

3. A obesidade pode levar à esteatose (gordura no fígado) hepática.   
http://esteatosehepatica.blogspot.com
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.
Referências Bibliográficas:
T Matsuo, Y Kato, Y Murotake, M-K Kim, H Unno and K Tanaka
1. Graduate School of Comprehensive Human Sciences, University of Tsukuba, Tsukuba, Ibaraki, Japan
2. Sodegaura City, Sodegaura, Chiba, Japan
3. Unno Medical Clinic, Moriya, Ibaraki, Japan
International Journal of Obesity (2010) 34, 1742–1751; doi:10.1038/ijo.2010.95


CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11)5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr

https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos

Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , , , ,

OBESIDADE E SAÚDE DA MULHER: A OBESIDADE (SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE ABDOMINAL, INTRA-ABDOMINAL, CENTRAL, VISCERAL) E AS GRAVES CONSEQUÊNCIAS QUE TRÁS À SAÚDE DAS MULHERES.

agende-consulta-atualizada

A obesidade afeta negativamente a saúde das mulheres de muitas maneiras distintas. Estar com sobrepeso ou obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) para a mulher, significa o risco aumentado relativo de diabetes e doença arterial coronariana. Mulheres obesas têm maior risco de dor lombar e osteoartrite do joelho. A obesidade afeta negativamente tanto a contracepção e fecundidade. A obesidade materna está associada a maiores taxas de cesariana, bem como a maiores taxas de gravidez de alto risco, as condições obstétricas são mais delicadas, tais como diabetes e hipertensão. A gravidez é afetada negativamente pela obesidade materna (risco aumentado de mortalidade neonatal e malformações). A obesidade materna está associada a uma diminuição da intenção de amamentar, e diminuição da duração da amamentação. Parece haver uma associação entre obesidade e depressão em mulheres, apesar de fatores culturais poderem influenciar esta associação. Mulheres obesas têm maior risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de endométrio, câncer de colo uterino, câncer de mama e, talvez, o câncer de ovário. A prevalência da obesidade está aumentando. A Organização Mundial da Saúde – OMS – estima que mais de 1 bilhão de pessoas estão acima do peso, mas 300 milhões preenchem os critérios para a obesidade. Vinte e seis por cento das mulheres não grávidas com idades entre 20-39 estão com sobrepeso e 29% são obesas. Esta observação fará a revisão dos amplos alcances que a obesidade tem sobre a saúde reprodutiva e doenças crônicas em mulheres. Foi apresentada uma classificação para sobrepeso e obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) baseada no IMC e na circunferência da cintura. Nas mulheres, a circunferência da cintura maior do que 88 cm é de alto risco para problemas cardiovasculares, enquanto nos homens, maior do que 102 cm é de alto risco para problemas cardiovasculares. O risco de diabetes mellitus tipo 2 (DM2) aumenta com o grau e a duração do excesso de peso ou será pior se tiver obesidade central ou visceral que é mais grave do que a quantidade de gordura de revestimento corporal. A gordura visceral aumenta o grau de resistência à insulina associada à obesidade. Por sua vez a resistência à insulina e o aumento da gordura visceral são algumas das características da síndrome metabólica, um conjunto de fatores de risco para desenvolver diabetes, hipertensão, dislipidemia e culmina com doenças cardiovasculares. Devido a esta gama de problemas, a obesidade na mulher deve ser combatida o quanto antes, para se evitar uma série de complicações, uma vez que algumas podem ter êxito letal.
AUTORES PROSPECTIVOS  
Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM: 20611
Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM:28930
COMO SABER MAIS:
1.A obesidade trás sérias consequências à saúde da mulher?   http://controladaobesidade.blogspot.com/
2.Mulheres obesas têm maior risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de endométrio, câncer de colo uterino, câncer de mama e, talvez, o câncer de ovário?       http://sobrepesopeso.blogspot.com/ 
3.A obesidade tem amplos alcances sobre a saúde reprodutiva e doenças crônicas em mulheres?   http://gorduravisceral.blogspot.com/
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.
 
Referências Bibliográficas: Teresa Kulie, MD; Slattengren André, DO; Redmer Jackie, MD, MPH; Condes Helen, MD; Eglash Anne, MD; Schrager Sarina, MD, MS
2011/02/27; J Am Board Fam Med. 2011, 24 (1) :75-85.
© 2011.
CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11)5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=
UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , , , , ,

OBESIDADE (CONTROLADA, DESCONTROLADA), EMAGRECER COM SAÚDE, ATIVIDADE FÍSICA E ACOMPANHAMENTO COM PROFISSIONAIS QUALIFICADOS RESULTADO CERTO E SAÚDE PERFEITA.

agende-consulta-atualizadaNas últimas décadas tem havido rápido e crescente aumento no número de pessoas obesas, o que tornou a obesidade um problema de saúde pública. Evidências sugerem que grande parte da obesidade é mais devida ao baixo gasto energético que ao alto consumo de comida, enquanto a inatividade física da vida moderna parece ser o maior fator etiológico do crescimento dessa doença nas sociedades industrializadas. Para o tratamento da obesidade é necessário que o gasto energético seja maior que o consumo energético diário, o que nos faz pensar que uma simples redução na quantidade de comida através de dieta alimentar seja suficiente. No entanto, isso não é tão simples; tem sido demonstrado que mudança no estilo de vida, através de aumento na quantidade de atividade física praticada e reeducação alimentar, é o melhor tratamento. O princípio da individualidade, pelo qual se deve respeitar a individualidade biológica de cada indivíduo na prescrição de um determinado programa de exercícios, pois a mesma sobrecarga e modalidade de exercício irão provocar respostas de diferentes magnitudes em diferentes indivíduos. As adaptações fisiológicas promovidas pela realização de exercício físico retornam ao estado original quando o indivíduo retorna ao estilo de vida sedentário. A não procura pelo profissional correto em ajudar a cada tipo de individuo também pode trazer consequencias as vezes não muito boa, saúde é alimentação, exercicios físicos e mais ainda força de vontade para tomar decisões sabias para não achar que tudo se resume em fazer o que a outra pessoa faz, cada individuo tem seu metabolismo, então cada individuo tem seu tratamento e seu ritmo.
AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM: 20611
Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM:28930
Como Saber Mais:
1. O que é Qualidade de Vida?                                                            http://reposicaohormonal2.blogspot.com/
2. Dieta, Atividade Física, Reeducação alimentar envolve um trabalho muito sério com profissionais sérios, então se informe mais antes de fazer algo sozinho pois o importante é emagrecer com saúde.   http://drcaiojr.site.med.br/
3. O que envolve a Síndrome Metabólica?                                http://metabolismocontrolado.blogspot.com
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS E REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referencia Bibliográfica:Obesity (2010) 18 6, 1071–1078. doi:10.1038/oby.2010.16
Tissue-Specificity and Ethnic Diversity in Obesity-
Related Risk of Cancer May Be Explained by Variability
in Insulin Response and Insulin Signaling Pathways
John R. Speakman1 and Michael I. Goran2.
CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / 5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=
UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , , , , , ,

OBESIDADE ACONSELHAMENTO PARA A MUDANÇA DO ESTILO DE VIDA POR MÉDICOS, VISANDO DIMINUIR O PESO SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE ABDOMINAL, INTRA-ABDOMINAL, CENTRAL, VISCERAL E EVITAR GANHAR AINDA MAIS PESO.

agende-consulta-atualizada

O aconselhamento de médicos sobre o estilo de vida para pacientes com sobrepeso ou obesos (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) evitarem maior ganho de peso, induz a comportamentos preventivos, de acordo com os resultados, de 3 anos de um acompanhamento clínico controlado e aleatório relatado em fevereiro no Archives of Internal Medicine .“A recuperação do peso após a perda inicial de peso é comum, o que indica a necessidade de aconselhamentos para prevenir o ganho de peso em vez da perda de peso”, segundo observações de Nancy ter CW bogt, MSC, do Centro Médico Universitário de Groningen, na Holanda, e colegas. Esta observação foi realizada, para determinar se o aconselhamento do estilo de vida conduzido por médicos para pacientes com sobrepeso e obesos (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) pode evitar ainda mais o ganho de peso.”Esta observação foi efetuada num total de 457 pacientes com índice de massa corporal (IMC) de 25 a 40 kg/m², e hipertensão ou dislipidemia ou ambos, observados em clínicas distintas, divididos em 2 grupos. A idade média foi 56 anos e 52% dos indivíduos observados eram mulheres. Os participantes foram aleatoriamente designados para 2 grupos distintos, recebendo orientação de estilo de vida, com orientação de médicos e enfermeiras especializadas, usando um protocolo padronizado. Os resultados iniciais obtidos, foram as mudanças depois de 3 anos no peso corporal, circunferência da cintura, pressão arterial, glicemia de jejum e níveis de lipídios (gorduras) no sangue.Aproximadamente 60% ​​dos participantes foram capazes de manter o peso depois de 3 anos. No entanto, os níveis lipídicos e da pressão arterial não diferiram entre os 2 grupos.“Na maioria em ambos os grupos, o aconselhamento de estilo de vida conseguiu evitar ainda mais o ganho de peso.”Alguns pacientes apresentaram um menor número de visitas às enfermeiras especializadas após o primeiro ano de acompanhamento, que pode ser insuficiente para sustentar a perda de peso. Observa-se que usando o grupo de enfermeiras especializadas treinadas para prestar aconselhamento de estilo de vida limitado dentro de uma prática médica geral, não resultou em perda de peso clinicamente significativo, a longo prazo. No entanto, eles apontam que os grandes estudos clínicos multicêntricos sugerem que intervenções intensivas podem atingir perda de peso associada com melhores resultados de saúde. Para se fazer uma terapia eficaz para a obesidade será necessário o apoio e intervenções integradas em vários ambientes onde as pessoas ficam a maior parte do seu tempo. As intervenções para a perda de peso, visando primariamente a melhoria da saúde serão mais eficazes se os cuidados forem coordenados, reembolsados, mais sustentável e se for apoiado por ações complementares de múltiplas entidades, tais como o local de trabalho ou a comunidade onde vive. Estes sistemas requerem novos modelos de custo-benefício para determinar a abordagens mais eficientes e eficazes para populações específicas de pacientes.
AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM: 20611
Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM:28930
COMO SABER MAIS:
1.O aconselhamento de médicos sobre o estilo de vida que o paciente deve ter pode melhorar a qualidade de vida do paciente ?
http://controladaobesidade.blogspot.com
2.Com o aconselhamento médico sobre o estilo de vida o paciente pode apresentar melhoras no peso corporal, circunferência da cintura, pressão arterial, glicemia de jejum e níveis de lipídios (gorduras) no sangue?
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com
3.Aproximadamente 60% ​​dos participantes foram capazes de manter o peso depois de 3 anos?
http://obesidadedescontrolada1.blogspot.com
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.
Referências Bibliográficas:
Arch Intern Med. . 2011, 171:306-313, 313-315. Nancy ter CW bogt, MSc, do Centro Médico Universitário de Groningen, na Holanda, e colegas Debra Haire-Joshu, PhD – Washington University School of Medicine, in St. Louis, Missouri – USA Samuel Klein, MD – Washington University School of Medicine, in St. Louis, Missouri – USA.
CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11)9.8197-4706 – TIM
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=
UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Publicado em OBESIDADE | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , ,